Comunidade NationStates Portugal
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Fundação dos Estados Democráticos de Leporida

Ir para baixo

Fundação dos Estados Democráticos de Leporida Empty Fundação dos Estados Democráticos de Leporida

Mensagem  Leporida Seg Mar 22, 2010 4:40 pm

Quarto do Rei Codomano VI, no Palácio Real

Ministro do Interior Lopo Cardim: E que fazemos agora, Excelência? Sua Majestade morre sem herdeiros directos; vamos ter de ir buscar o...

Primeiro Ministro do Reino Marcelo Caiado: Mas é que nem pense nisso! Não aceito leis vindas de estrangeiros!

Mas... Então, o que sugere?

Sugiro que, para já, deixemos os acontecimentos fluir. Sua Majestade há-de ter deixado alguma instrução escrita, uma espécie de testamento. Ele falou-me uma vez nisso.

Onde estará tal documento?

Não sei, mas, antes de tomarmos decisões precipitadas, vamos tratar de enterrar o defunto com todas as honras que o Estado lhe deve. Depois planearemos o próximo passo. Aliás, mande chamar o resto do Ministério; vamos reunir o Conselho ainda hoje, para decidirmos o que fazer.

Sala do Conselho, no Palácio do Ministério

Meus senhores, hoje estamos aqui, porque Sua Majestade faleceu há poucas horas atrás. A notícia já corre pelo País, pelo que rapidamente teremos de mostrar o caminho que vamos seguir doravante. Reuni este Conselho para vos ouvir.

Ministro do Estado Fabrício Carmona: Senhor Primeiro-Ministro, Sua Majestade confiou-me há alguns meses um documento, sobre o qual me disse que gostaria de que ganhasse força de Lei no dia da sua morte, se tal nos aprouvesse. Ao saber da funesta notícia, trouxe comigo o envelope, que abrirei agora, pela primeira vez, na vossa presença. Passo a lê-lo:

O Reino de Leporida adopta como sua a seguinte Lei:
  1. Passa o poder político a ser detido pelo Povo de Leporida.
  2. Executará o Povo de Leporida esse poder segundo a sua discrição, nos termos da Constituição que vier a ser aprovada.
  3. Fica o Ministério em funções encarregue de assegurar o cumprimento da presente Lei e demais legislação em vigor até à aprovação da nova Constituição.

Um pouco vago, como Lei, não concordam?

Pelo contrário: dá-nos total liberdade de reorganizar o Reino. Há coisa melhor?

Acho que o objectivo de Sua Majestade era promover uma transição para um novo regime político livre de conflitos. Apesar do seu poder quase absoluto, Sua Majestade preocupava-se com o Povo. A leitura que faço desta Lei, se vier a ser aprovada tal e qual, é de que devemos o mais rapidamente possível convocar eleições para uma Assembleia Constituinte.

Isso é uma loucura! Nós não temos um sistema partidário nem uma tradição eleitoral ou democrática. O nosso Povo não saberia o que fazer com um boletim de voto!

Não temos de convocar eleições para amanhã! Quando disse rapidamente, obviamente que contava com essas e outras vicissitudes. No entanto, acho que não será irrealista propor um prazo de um ano para a realização das eleições. Quem vota comigo?

Levantam-se todos os braços dos presentes na sala, excepto os do Primeiro Ministro e do Ministro do Interior.

Pois, se assim querem, nada posso fazer quanto a isso. Mas podem estar certos de que contarão com um adversário temível no dia da ida às urnas!

O Primeiro Ministro levanta-se e abandona a sala. Depois duns segundos desconfortáveis, o Ministro do Interior despede-se educadamente e sai também.

Passa então a ter força de Lei.

OOC:
Tentei utilizar um código de cores, para se saber quem diz o quê sem ter de escrever sempre os nomes à frente. Se acharem que está muito confuso, digam e eu ponho os nomes.
Leporida
Leporida

Número de Mensagens : 73
Data de inscrição : 09/09/2009

Ir para o topo Ir para baixo

Fundação dos Estados Democráticos de Leporida Empty Re: Fundação dos Estados Democráticos de Leporida

Mensagem  Leporida Ter Mar 23, 2010 7:56 am

Sala do Conselho, no Palácio do Ministério

Ministro do Estado Fabrício Carmona: Na ausência do Primeiro-Ministro, manda o protocolo que seja o Ministro do Estado a presidir ao Conselho. Mas alguém sabe o que é feito dele e do Ministro do Interior?

Ministro da Defesa Ludovico Pardo: Não sei. Desde o Conselho de há três dias que não se ouve falar do Primeiro Ministro.

Uma pessoa não pode desaparecer assim do mapa! Ainda para mais, tratando-se da segunda figura mais alta do Reino!

Primeira, se tivermos em conta que o Rei está morto, não deixou descendência e nos encarregou a nós de preparar as condições para a redacção duma nova Constituição. O que é certo é que ele saiu do último Conselho visivelmente contrariado e dispensou o carro oficial; não voltou a pegar-lhe, até hoje. Como foi fim-de-semana, ninguém estranhou muito a ausência. Mas hoje devia ter aparecido no Ministério...

E o Lopo? Alguém sabe alguma coisa desse?

Não. O Ministro do Interior saiu daqui na viatura oficial, foi para casa e saiu de lá no dia seguinte, sem dar satisfações ao motorista que o esperava. Chamou um táxi e desapareceu.

Dois desaparecidos, assim, preocupa-me. Ainda para mais, um deles é o Ministro do Interior. Os serviços secretos estão na sua dependência...

E a Polícia...

Isso é o menos. Se os colegas concordarem, decretamos hoje o estado de sítio, para substituirmos a Polícia pelo Exército nas funções de patrulhamento e segurança.

Ministra da Cultura Madalena Carneiro: Não será um pouco precipitado?

Então que nos propõe?

Para já, nada. Temos umas eleições para preparar. Devemos preocupar-nos com isso; deve ser a nossa prioridade. Entretanto, aprovamos um Decreto especial de transferência de tutela dos serviços secretos para o Ministério da Defesa e pomo-los à procura dos desaparecidos. A Polícia sabe tratar de si sem ter o Ministro a distribuir as rondas, pelo que não vejo necessidade de alarmar a população com soldados a percorrerem as ruas.

Não me parece má ideia. Mas preferia incluir a Polícia também nesse Decreto; transferia-se logo a tutela, mesmo que provisoriamente, para o que desse e viesse.

Sim, e, de caminho, fecha-se o Ministério do Interior, por falta do que fazer!

Confesso que não vinha a contar com isto... Vou suspender este Conselho por duas horas: vocês os dois usem esse tempo para se entenderem e redigirem uma proposta de Decreto; daqui a duas horas, voltamos a reunir, para a discutir, bem como à proposta que eu trago aqui, sobre a Constituinte.
Leporida
Leporida

Número de Mensagens : 73
Data de inscrição : 09/09/2009

Ir para o topo Ir para baixo

Ir para o topo

- Tópicos similares

 
Permissão neste fórum:
Você não pode responder aos tópicos